Menu fechado

Projetos contra a obesidade e doenças crônicas

“Um é para o enfrentamento da obesidade, que está tão associada ao consumo desses alimentos com alto teor de sódio, com alta densidade energética, alto teor de gordura e açúcar. O outro vai tratar do enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis, do diabetes, da hipertensão, do câncer, que também estão associados ao consumo inadequado de alguns alimentos.”

A coordenadora ainda comentou os resultados da pesquisa que mostram a inadequação do padrão geral da dieta dos adolescentes, muito pior quando comparada a outras fases do ciclo da vida.

Segundo Jaime, “dados anteriores da POF já mostravam um padrão de consumo alimentar que demanda uma urgência de políticas públicas para a promoção de alimentação saudável para todos os ciclos da vida do brasileiro.”

O levantamento mostrou que o consumo de biscoitos recheados, um dos vilões de uma dieta saudável, foi bem maior entre adolescentes do que entre adultos e idosos, e ainda que os mais velhos comem mais salada do que os mais jovens.

“Todo o padrão de consumo de micronutrientes apresentado pela pesquisa sinaliza uma inadequação do padrão geral de dieta dos jovens. Isso sinaliza a importância não de suplementação ou de fortificação, mas sim de repensar o consumo de alimentos consumidos no dia a dia do adolescente. É importante mencionar que a inadequação de micronutrientes pode muito bem ser corrigida através de alimentos básicos da dieta, não sendo necessários suplementos ou medicamentos para corrigi-la”, explicou a coordenadora.

DIETA POBRE

Mais de 90% dos brasileiros consomem menos frutas, legumes e verduras do que o recomendado pelo Ministério da Saúde, segundo a pesquisa do IBGE.

O levantamento mostra que os alimentos mais comuns na mesa dos brasileiros de todas as classes, regiões e idades são café, feijão, arroz, sucos, refrigerantes e carnes bovinas.

O problema, no entanto, com exceção dos refrigerantes, não está neste grupo, mas em outros alimentos que têm sido mais consumidos, como biscoitos recheados, salgadinhos, pizzas, doces e outros de altos teores calóricos e baixos nutritivos.

Por causa desta dieta de baixa qualidade, o percentual de brasileiros com níveis altos de inadequação de consumo de diversos nutrientes é alto para quase todos eles.

O consumo de fibras ficou abaixo do recomendado para 68% dos brasileiros. Já no caso de açúcares e gorduras saturadas, o consumo é em excesso, respectivamente, entre 61% e 82% da população.

A má alimentação do brasileiro se reflete também na baixa ingestão de algumas vitaminas, abaixo dos níveis recomendados. Praticamente todos os brasileiros consomem menos vitaminas D e E do que o recomendado, pois a proporção de inadequação neste caso é superior a 98% independente da idade ou sexo.

A falta de vitamina A também é um problema, pois a proporção de inadequação deste nutriente varia entre 63% entre meninas de 10 a 13 anos a 82% entre homens de 14 a 18.

PEIXE É MAIS CONSUMIDO NO NORTE; CARNE DE BOI NO CENTRO-OESTE

A comparação por região permite também identificar diferentes hábitos alimentares. Ninguém supera os nortistas, por exemplo, no consumo de peixe, farinha e açaí.

No Sul, o destaque é o chá. No Centro-Oeste, brasileiros reportaram o maior consumo de carne bovina.

No Sudeste, a batata-inglesa é mais presente no cardápio do que em qualquer outra região.

Por fim, nordestinos apresentaram o maior consumo de milho entre todos os pesquisados.

Fonte: Jornal Floripa

Post relacionado

Deixe uma resposta