Menu fechado

Cirurgias para controle de obesidade dobram em um ano

Segundo os últimos dados do IBGE, divulgados em 2010, 12,4% dos homens brasileiros são obesos

São Paulo. O número de obesos no Brasil que se submetem a operações para emagrecer subiu de cerca de 35 mil em 2009 para 60 mil em 2010. Desde 2003, o crescimento foi de 270%, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Os números são colhidos entre os médicos associados à sociedade e as empresas que fornecem o material para as cirurgias.

O País só perde para os Estados Unidos em número de cirurgias. Segundo a sociedade, lá são feitos 300 mil procedimentos do tipo por ano.

A operação pode ser indicada para pessoas com IMC (índice de massa corporal) maior do que 40 ou para quem está entre 30 e 35 e tem doenças associadas ao ganho de peso, como diabetes e apneia do sono.

O IMC é obtido dividindo o peso em quilos pela altura, em metros, ao quadrado.

Segundo Ricardo Cohen, presidente da Sociedade de Cirurgia Bariátrica, afirma que o crescimento é uma boa notícia, mas que muita gente ainda não tem acesso ao tratamento. “Só operamos 2% das pessoas que precisam”, diz.

De acordo com os últimos dados do IBGE, divulgados no ano passado, 12,4% dos homens brasileiros são obesos. Entre as mulheres, a proporção é de 16,9%.

O endocrinologista Alfredo Halpern lembra que a cirurgia não deve ser vista como o primeiro tratamento.

“Muita gente pode emagrecer com tratamento clínico, mas alguns acham que operar é mais fácil”, explica. As possibilidades de tratamento clínico, no entanto, podem ficar limitadas se os remédios emagrecedores (como sibutramina e derivados de anfetamina) forem proibidos no Brasil.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve anunciar uma decisão sobre o veto aos emagrecedores ainda neste mês. Mas, segundo Cohen, uma possível proibição das drogas não deve aumentar o número de cirurgias. “Nos EUA não observamos isso”, avalia.

Fonte: Diário do Nordeste

Post relacionado

Deixe uma resposta